繁體中文 | 简体中文 | English | Português
 
 
Pesquisar
  >>Página Principal

A DÉCADA DE 90: NAS LUZES DA RIBALTA

Guias Mutantes: 50 Anos de Grande Prémio de Macau

Realizado pela primeira vez em Novembro de 1954 como uma corrida para amantes locais do desporto automóvel, o Grande Prémio de Macau veio a transformar-se naquele que muitos consideram a melhor prova em circuito urbano do mundo. Seguidamente, apresentamos alguns dos pontos altos dos últimos 50 anos.


A DÉCADA DE 90: NAS LUZES DA RIBALTA

1990
Embora o Grande Prémio de Macau tenha protagonizado muitos finais emocionantes, nenhum foi mais dramático que o choque ocorrido na última volta entre o vencedor da 1a manga e favorito á vitória, Mika Hakkinen, com o comandante da 2a manga e eventual vencedor da prova, Michael Schumacher. No Grande Prémio de Macau de Motas, Steve Hislop venceu à frente de Peter Rubatto e o veterano de Macau Masahiro Hasemi, num Nissan Turbo, arrasou a concorrência na Corrida da Guia.

1991
O popular escocês David Coulthard venceu o Grande Prémio no conjunto das duas mangas, apesar de terminar em segundo atrás do espanhol Jordi Gene na segunda manga. O terceiro lugar foi para o jovem Christian Fittipaldi na sua estreia no circuito da Guia. O piloto do Campeonato Mundial de Motociclismo, Didier de Radigues, terminou uma carreira brilhante vencendo as Bodas de Prata do Grande Prémio de Macau de Motas, e estabelecendo um novo recorde da volta mais rápida em 2:25.91. A Corrida da Guia foi ganha pelo antigo piloto de Fórmula 1, Emanuele Pirro, à frente de Kurt Thiim e o vencedor de Le Mans (por três vezes) Klaus Ludwig.

1992
1992 viu todos os recordes das voltas mais rápidas das principais corridas batidos. O sueco Rickard Rydell venceu o Grande Prémio de Macau de F3 por uma diferença de 1,57 à frente do português Pedro Lamy, que fez a volta mais rápida no seu Reynard 923 Spiess Opel em 2:19.26. Em terceiro lugar, ficou o jovem piloto canadiano Jacques Villeneuve. A Corrida da Guia foi muitíssimo emocionante com quatro Mercedes de fábrica e três BMW determinados a vencer. Embora o piloto da Mercedes Bernd Schneider tenha feito uma volta super rápida de 2:29.74, estabelecendo um novo recorde, Emanuele Pirro acabou por vencer, à frente dos seus colegas de equipa Joachim Winkelhock e Roberto Ravaglia, em segundo e terceiro, respectivamente. O Grande Prémio de Macau de Motas protagonizou uma batalha clássica entre três Yamaha 500 cc, tendo vencido Carl Fogarty no conjunto das mangas, à frente do japonês Toshihiko Honma, em segundo, e Jamie Whitham, em terceiro. Fogarty estabeleceu ainda a volta mais rápida com 2:33.94.

1993
Em 1993, a prova mudou-se para as suas novas instalações construºdas propositadamente na zona do novo terminal marítimo. Rickard Rydell regressou para defender o seu título, mas, depois de estabelecer um novo recorde da volta com 2:17.40, foi obrigado a desistir, deixando caminho livre a Jorg Muller. O dinamarquês Tom Kristensen ficou em segundo, seguido do favorito á vitória, Kelvin Burt. No Grande Prémio de Macau de Motas, o vencedor de 1990, Steve Hislop, repetiu a proeza com uma vantagem de quatro segundos sobre o vencedor de 1989, Robert Dunlop, que também bateu o recorde do circuito com 2.33.18. Charles Kwan, de Hong Kong, passou a figurar na história de Macau ao vencer três provas, sendo a mais notável a que obteve na Corrida da Guia, à frente do duplo vencedor Emanuelle Pirro e do veterano de carros de turismo Jo Winkelhock.

1994
Após duas tentativas anteriores, o alemão Sascha Massen venceu no conjunto das duas mangas, seguido de Kelvin Burt e Jan Magnussen, que tinha começado a corrida na 18 à posição da grelha. Na Corrida da Guia, Jo Winkelhock venceu ambas as mangas no seu BMW Schnitzer, à frente do colega de equipa Steve Soper, em segundo, e Tom Kristensen, em terceiro. O escocês Steve Hislop, conduzindo uma Yamaha 500 cc de Grande Prémio, obteve a sua terceira vitória no Grande Prémio de Macau de Motas, com uma vantagem de 2,97 segundos sobre o inglês Mike Edwards, ficando Phillip McCallen em terceiro.

1995
Ralf Schumacher repetiu o êxito do seu irmão em Macau e venceu a prova apesar de um choque em cadeia na segunda manga. O italiano Jarno Trulli ficou em segundo e o espanhol Pedro de la Rosa em terceiro. O piloto de Macau André Couto terminou num honroso sexto lugar na sua estreia na Fórmula 3. A Corrida da Guia, realizada em duas mangas de 12 voltas, foi ganha por Kelvin Burt, seguido de Steve Soper e Julian Bailey. O Grande Prémio de Macau de Motas foi ganho pelo segundo classificado de 1994, Mike Edwards, que ultrapassou Phillip McCallen e ficou com uma vantagem de um décimo de segundo. Como consolação, McCallen obteve a volta mais rápida com 2:33.259. O terceiro lugar foi para a estrela suºça Andy Hofmann.

1996
Seguindo-se um final emocionante, depois de quase nenhum piloto do Grande Prémio ter conseguido cortar a meta devido a um incidente na última volta, a vitória foi atribuída ao campeão inglês de F3 Ralph Firman, à frente de Max Angelelli e Jarno Trulli. Nopo Grande Prémio de Macau de Motas, o irlandês Philip McCallen venceu as 15 voltas na sua oitava visita ao circuito da Guia, depois de abrir uma vantagem de quase 14 segundos sobre o escocês Roger Bennett, o comandante da primeira volta. Michael Rutter ficou em terceiro, enquanto o vencedor de 1992, Mike Edwards, estabeleceu a prova mais rápida com 2:33.07. O piloto da Audi, Frank Biela, venceu a Corrida da Guia, uma prova cheia de incidentes, à frente do campeão australiano Brad Jones e do piloto da Toyota Michael Krumm, que ficou em terceiro.

1997
Depois de uma corrida repleta de acção que protagonizou o carro do francês Soheil Ayari projectado no ar, Ayari teve um desempenho notável acabando por vencer o 44?Grande Prémio de Macau. Após uma emocionante batalha, Patrice Gay passou Enrique Bernoldi obtendo uma vantagem escassa de 2,5 segundos, enquanto o favorito à vitória, Tom Coronel, teve de se contentar com um novo recorde da volta mais rápida com 2:15.950. O inglês Steve Soper aproveitou ao máximo a desistência na primeira manga do seu colega da BMW Jo Winkelhock, acabando por vencer a Corrida da Guia à frente de Michael Krumm, em Toyota, e Charles Kwan em terceiro. O piloto veterano suíço de estrada, Andy Hofmann, cumpriu a promessa e venceu o Grande Prémio de Macau de Motas, com um avanço de quase sete segundos sobre o vencedor de 1996, Phillip McCallen. Shawn Higby, em Suzuki 900, ficou em terceiro, tornando no primeiro piloto americano privado a subir ao pódio em quase década.

1998
O Britânico Peter Dumbreck ganhou o Grande Prémio de Macau com a distância mais curta de sempre registada na história do GPM – tal como na história de corrida de motorizados – ao vencer o brasileiro Ricardo Mauricio apenas por 0.003 segundos. Dumbreck, que terminou a primeira manga da corrida na terceira posição, acabou por ganhar depois de uma luta cerrada entre o trio Mauricio e o vencedor da primeira manga Enrique Bernoldi, para reinvindicar a vitória total. Na corrida da Guia, o alemão, Jo Winkelhock, compensou pela desilusão ao perder em 1997 devido a uma falha mecânica, ao conseguir neste ano uma vitória dominante. O piloto da BMW liderou ambas as mangas desde o princípio ao fim, vencendo facilmente o piloto italiano, Max Angelelli, e o australiano, Brad Jones. No 32º Grande Prémio de Motos, o britânico, Michael Rutter, saltou para a vitória, ao bater o recorde por 2.2 segundos, seguindo à frente do seu companheiro de equipa, o britânico Ian Simpson, que seguia numa Honda, por apenas seis segundos. John McGuinness conquistou a terceira posição e o americano Mark Miller a quarta.

1999
O britânico, Darren Manning, dominou ambas as mangas do 46º Grande Prémio de Macau e conquistou uma vitória indiscutível. Ele beneficiou da interrupção temporária da primeira manga, depois de uma espectacular colisão que envolveu vários carros, mas que não registou qualquer ferido, depois de ele ter descido para a terceira posição. No recomeço da corrida, conseguiu conseguiu um bom arranque e distanciar-se cada vez mais dos seus rivais, uma estratégia que repetiu com sucesso na segunda manga. Atrás de Manning, o britânico, Jenson Button, e o piloto de Macau, André Couto, disputavam uma luta renhida pelo segundo lugar, que acabou numa colisão e obrigou Couto a abandonar a corrida. O piloto japonês, Daisuke Itoh, foi o primeiro do seu país a subir ao pódio da Fórmula 3 de Macau, ao beneficiar do elevado atrito e conseguir a terceira posição. Na corrida da Guia, o alemão, Michael Bartels, conquistou a vitória apesar de falhar o primeiro lugar em ambas as mangas. Bartels liderou desde o início a primeira corrida, mas foi ultrapassado na bandeira axadrezada da segunda pelo australiano, Paul Morris. O alemão, Oliver Mayer terminou a corrida na terceira posição, depois de Max Angelelli ter abandonado a corrida com a transmissão partida. No Grande Prémio de Motos, o inglês, David Jefferies, teve sorte ao conseguir uma vitória na sua segunda tentativa. Jefferies seguia à frente do suiço, Andreas Hofmann, quando a corrida foi interrompida duas voltas antes do fim, devido à máquina de Hofmann estar a verter óleo. Michael Rutter, o vencedor de 1998, ficou na terceira posição.

 














 
 
0.48089694976807